quinta-feira, 22 de abril de 2010

Escreva o que você ouve e o coloca para baixo!






Não é fácil manter novos hábitos. A coisa mais fácil que tem é voltarmos a nossa origem. Lembro de uma historia que ouvi quando criança: uma menina resolveu “adotar” um porquinho. Dava banho nele, passava perfume e até colocava fitinhas no seu pescoço, mas quando o porquinho teve a primeira oportunidade, correu para a lama e lá ficou todo feliz. Nada adiantava a menina fazer, porque o porquinho nasceu pra ficar na lama.

No quinto dia, a empolgação pode ir embora e a gente começa a achar que num vai dar certo. Dá uma vontade de num fazer nada. Dá uma vontade de voltar pra lama!

Acontece que diferente do porquinho que agia por instinto, nos podemos refletir e ponderar nossas atitudes. Podemos nos lembrar que a bagunça e desordem causam transtornos em nossas vidas. Então a gente coloca na balança e mensura qual tem mais vantagens a nos oferecer: a lama ou o carinho e cuidado da garotinha da história.

Não fazer nada e ficar de pernas pro ar, tem suas vantagens, mesmo que momentânea. Temos que ter consciência clara das nossas opções: tirar um cochilo ou ver TV à tarde toda ou realizar nossas tarefas domésticas? Não falo aqui em ser escrava da casa, mas em ter clareza de que nossa decisão em fazer ou não fazer vai ter alguma conseqüência. Então, mesmo que por tabela, estamos optando pela conseqüência que nossas atitudes nos causam (emoções boas ou más).

Eu não precisei escrever em papel os pontos negativos ou positivos das minhas decisões. O método que usei foi o da reflexão. Eu fechava os olhos e me imaginava em vários cenários e, então eu agia conforme me convinha. Até hoje eu faço isso: se eu tenho alguma coisa pra fazer eu posso decidir em fazer ou não. Então eu avalio as conseqüências: Se eu fizer o que acontecerá? E se eu não fizer? O que pode ser bom pra mim ou pra minha família? E o que pode acontecer de ruim?

Por exemplo: lavar o uniforme escolar de Gabriela: a gente sabe que criança se suja e por mais que eu fale pra ela ter cuidado com sua roupa, tenho certeza de que ela não vai se lembrar do meu pedido na hora em que tá no parquinho com os coleguinhas da escola. Sabendo disso, comprei três blusas, pra não ter que lavar todos os dias. Mas depois de três dias, eu tenho que lavá-las para que ela use no dia seguinte, conforme orientação da escola em usar uniformes.

Eu tenho então a opção de lavar ou de fazer qualquer outra coisa. Confesso que num é TODO dia que estou de bom humor pra lavar uniformes. Aí começo a refletir: caso eu não lave, e continue no ócio, tenho que ter clareza de que ela não terá uniforme limpo no outro dia, terá que usar um sujo ou ir com outra roupa, neste caso penso que passaria a idéia de uma criança descuidada e maltratada pela família. E se for constantemente com outra roupa a direção da escola vai chamar a atenção dela e dos pais (eu, neam.). Caso eu opte em lavar seu uniforme imediatamente, tenho que sair da inércia e agir porque assim ela terá roupa limpa, cheirosa e macia para ir à escola, passando uma idéia de uma criança asseada, amada e cuidada pela família. Os professores não vão pegar no pé dela por não estar de uniforme. E assim seu relacionamento e rendimento escolar poderão ser melhores. Fazendo esta reflexão e levantamento dos prós e dos contra eu acabo por agir e escolher aquilo que me faz bem, que é melhor pra mim e para minha família. Neste caso, lavo os uniformes de Gabriela.

Então acho que tudo não passa de escolhas. Temos que aprender a escolher o melhor caminho.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Hoje nós vamos escrever o que já fizemos e estamos fazendo em POST-IT

Chega de receber ordens, agora é você quem vai dar as ordens para si.

No quarto passo Baby Steps, a gente vai continuar fazendo os primeiro, segundo e terceiro passos, só que agora, no quarto passo, nós vamos introduzir nossos próprios lembretes. Aqueles que servem especificamente pra nós de acordo com nossas necessidades e disponibilidades.

No início, você vai seguindo os lembretes, do jeito que dá. Até que você vê que já pode ir adaptando os lembretes a você, ao seu ritmo de vida, aos seus horários. Faça isso até você incorporar o hábito. Depois, você mesma pode fazer seus próprios lembretes até não precisar mais deles, pois ai já estará fazendo automaticamente.

Eu lembro que na agenda do Yahoo coloquei vários lembretes e os enviava a mim mesma. Fiz calendário com lembretes, depois achei que não estava bom e fiz tipo agenda e colava na geladeira. Fui inventando. Já é um pequeno início do Control Jornal, que é outra coisa que parece ser difícil, mas depois a gente vai ver que não é não. Vamos falar dele mais pra frente.

As pessoas são diferentes e tem gostos e atitudes diferentes. Tem gente que rapidinho se habitua a alguma atividade, outras levam tempo. Tem pessoas que só de você falar alguma coisa elas já captaram o sentido da coisa. Outras, você tem quase que desenhar para que elas entendam o que você diz, e mesmo assim elas ainda ficam confusas. Então para assimilar novos hábitos é bom que se escreva e fixe esses lembretes em lugares que você possa ver.

Se você se sente bem em colar esses pequenos lembretes pela casa afora, tudo bem. Eu particularmente não gostei. Preferi fazer em um local só: na porta da geladeira, assim ficava mais fácil, porque eu não me perdia com tantos Post-it espalhados pela casa. Sem contar que o visual é muito melhor, né?

Isso, de usar Post-it num é invenção Fly não. Lembro que há uns 10 anos atrás(eu nem sabia que existia o sistema FLY), sai de férias. E uma colega minha, de outro departamento, ficou no meu lugar me substituindo apenas durante meu período de férias. Quando retornei após as férias, levei um susto: a parede, o computador e a mesa estavam todos cheios de Post-it, lembrando a ela das atividades que tinha que fazer. Ela não estava habituada a fazer meu serviço. Ela apenas me substituía, então foi a forma que ela encontrou de ficar “ligada” nas tarefas, que para ela eram novas, e não perder o prazo de realização das mesmas.

Assim que cheguei, a primeira coisa que fiz foi arrancar os lembretes, pois eu não precisava deles, pois como já sabia, por hábito, o que tinha que fazer, eles não tinham serventia pra mim.

Então concluo que este método de fazer lembretes a gente pode aplicar não só nas nossas tarefas domésticas como em qualquer área na nossa vida.

Os lembretes são apenas para que nos habituemos a coisas novas, depois não serão mais necessários.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Ler os Lembretes


- Boca de forno?
- Forno!
- Fazei tudo o que seu Mestre mandar?
- Faremos todos.
- E se não fizer?
- Ganharemos bolo.
- O Mestre manda que...


E ai, depois da ordem dada, a gente saia correndo pela rua afora pra fazer as tarefas que o Mestre mandava. Porque se não, ganharíamos bolo (tapas na mão. E o vencedor ainda podia escolher a quantidade de palmadas).
Lembra dessa brincadeira? Quem já brincou assim levanta a mão! É uma brincadeira infantil muito conhecida no Brasil. Acho que faz parte do nosso folclore.


Pois é, agora com a tecnologia o estilo da brincadeira mudou, mas a essência é a mesma, quer vê só?


Quando entramos para o sistema FLY, começamos a receber por e-mail, lembretes nos alertando para realizarmos nossas atividades. Como não estamos habituadas a certas rotinas, esses lembretes nos ajudam a nos posicionarmos diante das nossas novas tarefas.


Eles servem para nos fazer lembrar que temos alguma coisa a fazer, a realizar, a colocar em prática. A gente pode comparar também com a voz da mamãe nos lembrando que temos de fazer o dever de casa, ou nos alertando que tínhamos que estudar para determinada prova. Lembra quando éramos crianças e só queríamos brincar, assistir TV ou mesmo dormir? Ela vinha e chamava nossa atenção. Primeiro com carinho, esperando que fossemos por livre e espontânea vontade, depois, como não a obedecíamos, ela gritava, zangava e até dava castigo, lembra? Pois é, esses lembretes servem pra isso.


Os lembretes são generalizados, ou seja, não são específicos para SUA casa ou SUA família. Pode acontecer deles servirem ou não para você. Por exemplo: dar alimento ou ração para seus animais de estimação. Se você não tem animal de estimação, como no meu caso, então ele não serve, mas têm outros que são interessantes pra todo mundo. Por exemplo: quarta-feira, dia de limpar a geladeira. Acredito que na maioria dos lares brasileiros, tem geladeira, então nesse caso vale pra todo mundo.


O bom deste método é que você adapta a suas necessidades. Você não tem animas? Não precisa adquirir um. Não dá pra limpar a geladeira na quarta-feira? Então separa um dia da semana, que melhor lhe convém para fazer essa tarefa. O lado bom dos lembretes é que eles estão lá, gritando pra você que faça suas tarefas.


No início, quando me casei, enchi minha casa de plantas. Tinha várias, de diversos tamanhos. Na empolgação, comprei vasos, pedras decorativas e tudo mais. Então, no dia a dia, notei que eu não tinha paciência pra cuidar delas. Tinha que aguar, podar, mudar de um lado para outro dependendo da sensibilidade da planta para pegar ou proteger do sol, vento ou chuva e todas essas coisas que envolvem o cuidado com as plantas. Aí, um belo dia, não agüentando mais essa trabalheira toda, resolvi doar minhas plantas: presenteei minha sogra, que tem uma floresta na área de serviço da casa dela; dei também pra minha cunhada e até vizinhos levaram minhas plantinhas. Porque eu tava vendo a hora em que elas morreriam por falta de cuidados. Só fiquei com duas: um coqueiro, lindo, e um antulho (os tenho até hoje), por serem resistentes e não precisarem de tanta paparicação, só necessitando de água para sobreviverem, como todo ser vivo. E quem disse que eu as aguava? Eu não tinha tempo pra me cuidar, não tinha nem tempo de beber água e ainda por cima tinha que ficar aguando planta? Cheguei mesmo a falar para as diaristas que passaram lá em casa: - Ó, Não se esqueça de aguar as plantas nos dias que você vem aqui, porque se você não fizer, elas vão morrer! E minhas duas plantinhas restantes sobreviveram graças as minhas faxineiras.


Mas se você tem acompanhado meu blog, sabe que optei por não ter ajudante. Então, agora esse serviço ficaria por minha conta ou eu faria nova doação. Aliás, eu fiz só que a pessoa não veio buscar. Assim eu mesma comecei a aguar minhas plantinhas. Tinha dia que eu aguava, outro não. Passava semanas e eu me esquecia de dar água pra elas, só lembrava quando via que elas estavam murchinhas. Na outra semana encharcava as bichinhas, em tempo de matá-las afogadas. Não tinha controle.


Depois que conheci o método FLY e nos babys steps recebi um lembrete assim: aguar as plantas. Passei fazer com mais constância. No início eu só aguava as plantas quando lia os lembretes. Depois, eu fui adaptando os lembretes ao meu cotidiano, às minhas rotinas e incorporei de tal maneira que aguar as plantas já não era mais problema pra mim. Hoje, não preciso mais dos lembretes, já sei que nas segundas, quartas e sextas-feiras, com a água do último enxágüe, quando lavo as roupas, encho um jarro e mato a sede delas. É automático, sem confusão mental.


Com os lembretes que recebia eu passei a ter novos hábitos. Quer ver mais um: fazer lista de compras antes de ir ao supermercado. Quantas e quantas vezes comprei coisas que tinha em casa e esquecia de comprar aquilo que tava faltando, confiando na minha memória? Aprendi a fazer um controle do que acabou e do que ainda tem. Acredita que no início cheguei a ter mercadoria velha, dando bicho, guardada na despensa? É, o negócio era feio. Completo descaso com minha casa.


Pra quem ta achando que está pesado, difícil e pensa em desistir, vai uma dica: o negócio é descontrair. E para isso é só retornar à infância: fazer as coisas na brincadeira fica muito mais gostoso, quer vê só:


- Boca de forno?
- Forno!
- Fazei tudo o que Flylady mandar?
- Faremos todas.
- E se não fizer?
- Ganharemos bolo.
- Flylady manda que (ver os lembretes).


E ai, depois da ordem dada, a gente sai correndo pela casa afora pra fazer as tarefas que a Flylady nos enviou. Porque se não, ganharemos bolo. É, tapinhas. Só que agora não é na mão mais não, é no lombo.


Se tá pensando que num tem conseqüências se você não cumpre as ordens dadas? Tem sim: você vai viver na desorganização, você vai perder dinheiro jogando fora alimentos estragados e pagando multa porque esqueceu o vencimento das contas; vai continuar na sujeira e bagunça; vai estar sempre atrasada para os compromissos, porque demora em encontrar objetos que não sabe onde colocou; vai estar sempre estressada na hora de fazer a refeição pra família porque não tem os ingredientes necessários; vai.... tá achando pouco? Quer mais? Olha que tem, em! Era bem melhor quando recebíamos tapinhas na mão, né?


Como alguém já disse: A história se repete! E você, conhece esta brincadeira?

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Vista-se completamente, inclusive com sapatos de amarrar

É fácil, fácil esquecermos de nós e irmos direto às nossas tarefas diárias sem nos preocuparmos com nossa aparência. Estamos em casa, queremos e devemos ficar confortável. A pior coisa é aquela roupa apertada ou sapatos que machuquem nosso pé. Quando vou para o escritório até me permito isso algumas vezes, mas quando chego em casa o que quero é conforto.

O legal do método FLY é que ele cuida também da gente. Ele preocupa também com nossa aparência e não só da nossa casa. Quando estou reclusa no meu lar procuro não relaxar com minha aparência. Não é porque estou lavando louças que tenho que colocar minha pior roupa. Não estou falando de ficarmos vestida e maquiada como se fossemos pra uma festa de gala. Não é isso. Mas o mínimo de cuidado conosco é importante. Somos mulheres, queremos nos sentir belas e desejadas. Não acho nada de errado nisso.

Meu marido me conhece, sabe das minhas gordurinhas e celulites, o que ele não precisa saber é que sou relaxada e descuidada comigo mesma. Casados há 09 anos, a gente vai caindo no comodismo, na rotina e a gente vai descuidando de algumas áreas. Mas penso que nunca é tempo para retomarmos o cuidado conosco.

Mas mesmo estando só, acho importantíssimo o cuidado próprio. Até mesmo para nossa auto-estima. A pior coisa é quando estamos nos sentindo péssimas e olhamos para o espelho e nos deparamos com um visual que demonstra todo nosso sentimento.

Minha rotina com a casa começa à tarde, quando retorno do serviço. Então, depois de um banho, almoço, escovo os dentes, visto minha camisola e vou fazer minha sesta de 30 minutos marcadinho no timer. Assim que me levanto, antes de iniciar minhas tarefas domésticas dou uma caprichada no visual. Penteio os cabelos, passo base com filtro solar, batom, perfume, desodorante, coloco um brinco, visto uma roupa e sandália confortáveis.

Sempre tive o cabelo volumoso e cacheado, pra mim, depois da invenção da roda, a melhor depois foi escova progressiva. Meu cabelo mudou. Não preciso ficar fazendo escovinha, que por sinal, no meu cabelo nunca ficou bom. Fiz um corte moderno, curto na altura do pescoço e com muito pouco esforço ele está sempre arrumadinho e penteado. Maravilha. Só tenho que fazer a raiz semestralmente.

Encontrei um filtro solar com base, dois em um. Muito bom mesmo. Assim ele protege a pele dos raios do sol e dá um acabamento legal na pele. Até disfarça algumas imperfeições


Depois passo um batom pra tirar aquela palidez do rosto e sem querer querendo, estou maquiada.

Mesmo estando em casa gosto de ficar perfumada, por isso não esqueço o desodorante e um perfuminho. Nada muito forte não. Só um cheirinho gostoso.

Quanto à roupa de ficar em casa tem que ser confortável. Aqui em Vitória, ES, faz um calor insuportável, então adoro usar vestidinhos leves e fresquinhos, de alcinha ou não, macaquinhos e shorts. Imprescindível é que estejam em bom estado. Não uso roupas rotas, rasgadas, manchadas ou que não me servem.

Dou-me ao luxo de ficar de camisola alguns minutos depois que acordo, somente final de semana ou feriado, pois nesses dias apenas faço minhas rotinas para manter a casa apresentável. As missões da minha lista de limpeza detalhada faço de segunda a sexta-feiras.

Em relação aos sapatos, os de amarrar, como sugere o método FLY, não dá. Não gosto de sapatos fechados. Botas, uso somente no inverno. Tênis, somente para caminhada, ou academia. Não tenho nada contra os tênis, mas, não consigo usá-los com outra finalidade a não ser para exercícios físicos! Sempre fui assim. Quando estava no ensino fundamental e médio, éramos obrigadas a usar tênis. Então eu os usava somente para ir às aulas, como uniforme mesmo. Mas pra sair, para qualquer outro evento eu não queria nem vê-los, quanto mais usar (rs). Acho que veio daí minha aversão a eles.

Em casa uso rasteirinhas. Tem tantos modelos no mercado, e com preços variáveis que fica fácil escolher uma. Definitivamente, não gosto das Havaianas. Mesmo insistindo em colocar celebridades para fazerem propagandas, ainda assim não gosto delas. Acho as Havaianas sem atrativo algum. Inventam mil e umas, mas não rola comigo. Não tenho nenhuma, não dá. Não consigo! Minha última aquisição custou apenas dez reais (foto abaixo).
Não é Melissa não. É genérica. E acredita que a minha prima comprou uma Melissa por sessenta reais e a dela já pocou (palavra capixaba, significa arrebentar) a tira? Ela ficou com muita raiva quando eu disse o preço da minha e que ela está inteirona. Nem sempre o que é caro é bom né? (rs))




Mas voltando a nossa conversinha sobre se vestir completamente, o interessante do sapato, sandália ou qualquer outra coisa pra se colocar no pé é que ele faz a diferença. Ele é um complemente essencial. Uma vez eu estava toda arrumadinha e queria tirar uma foto, só da cintura pra cima, mas eu estava descalça. Acredita que não consegui ficar bem. Tive que colocar um sapato de salto. Mesmo que a foto fosse da cintura pra cima, parecia que eu estava me sentindo mais segura, ficava com outro porte, sei lá, vai entender. Mas observei que com o sapato de salto eu ficava diferente (mais alta com certeza, pois sou baixinha, rs)

Nunca tive o costume de ficar desleixada em casa. Sempre arrumadinha. Mas no método FLY eu passei a me policiar mais. A cuidar de mim em primeiro lugar.

E você? Como fica em casa? Quais os seus cuidados diários? Conta ai, vai!

Você pode gostar disso também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...